A pele entende quando você cuida dela

A pele entende quando você cuida dela

“Da época da pandemia para cá, com o isolamento obrigatório, o stress permanente pelo medo e pela situação que parecia nunca ter fim, as pessoas começaram a olhar mais para si mesmas. Lembro bem que no auge daquele período horroroso pelo qual o mundo passou comecei a ouvir muito nas redes sobre os chamados movimentos wellness que misturam o autocuidado de embelezamento com busca de bem-estar. Eu acho que pele e mente têm tudo a ver! Quando a gente está feliz, bem, parece que a pele ganha um glow diferente, fica maravilhosa!  Eu acredito que, cada vez que você faz um skincare, passa um limpador, um tônico, um hidratante, um antiaging na pele, aquele movimento parece que manda uma mensagem para o cérebro dizendo: eu me amo, eu me cuido. E a pele responde não só ficando bela, mas dando aquela sensação de prazer. Eu, por exemplo, às vezes, acordo desanimado – sim, eu sou humano e também tenho meus bad days. Então, depois que eu faço a barba, me forço a seguir os passos de cuidar de mim: preparo minha pele com meu BBcream, passo meu pó incolor, borrifo meu perfume que é minha assinatura. Daí, parece que nasce o Marco Antônio, aquele que é esperado no salão, aquele que tem uma fila de clientes esperando para o corte, para tirar selfies comigo, feliz, celebrando a vida. Elas me perguntam: o que você usa na pele? Que pele maravilhosa. Que perfume divino, que perfume é esse? Tudo porque além de me cuidar mesmo, meu cérebro está conectado com minha pele aceitando alegremente o tempo que dedico a ela. E olha, tem dica minha: o resultado é ainda melhor se você usar algum produto da família dos neurocosméticos. Isso mesmo, meu amor, são aqueles cosméticos que trazem em suas formulações substâncias que ativam os neurotransmissores e neuromediadores da pele! Então, além da ação prometida na pele propriamente dita, você também ganha aquela sensação de bem-estar. Se cuidar está na moda. Abrace a tendência!”

MARCO ANTÔNIO DE BIAGGI

iStock 1289220585

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais como este